Sobre nós

A IGREJA APOSTÓLICA TEMPLO EM ADORAÇÃO FOI CRIADA EM 03 DE JANEIRO DE 2009 DEPOIS DE 6 ANOS COMO MINISTÉRIO TEMPLO EM ADORAÇÃO; ATUALMENTE É DIRIGIDA PELOS APÓSTOLO E MESTRE BETO E SUA ESPOSA  APÓSTOLA RENATA QUE SÃO SEUS FUNDADORES.

E SEUS BISPOS, PROFETIZA VANESSA, EVANGELISTAS MARCELO E CRIS.

A IGREJA APOSTOLICA TEMPLO EM ADORAÇÃO TEM COMO BASE  OS 5 MINISTÉRIOS DE EFÉSIOS CAPITULO 4.10-12 QUE ESTA ESCRITO:

ASSIM, QUEM DESCEU É O MESMO QUE SUBIU, ACIMA E ALÉM DOS CÉUS, PARA ENCHER TODO O UNIVERSO COM A SUA PRESENÇA.

    11 FOI ELE QUEM DEU DONS ÀS PESSOAS. ELE ESCOLHEU ALGUNS PARA SEREM APÓSTOLOS, OUTROS PARA PROFETAS, OUTROS PARA EVANGELISTAS E AINDA OUTROS PARA PASTORES E MESTRES DA IGREJA.

    12 ELE FEZ ISSO PARA PREPARAR O POVO DE DEUS PARA O SERVIÇO CRISTÃO, A FIM DE CONSTRUIR O CORPO DE CRISTO.

APÓSTOLOS, PROFETAS, EVANGELISTAS , PASTORES, E MESTRES. PARA APERFEIÇOAMENTO DO CORPO DE CRISTO, NÃO COMO UM TÍTULO MAIS COMO UM MINISTÉRIO.

A SERVIÇO DA IGREJA LOCAL E ATÉ OS CONFINS DA TERRA SENDO COM PERMISSÃO DO SENHOR JESUS É CLARO.

 CONHEÇA MAIS SOBRE OS 5 MINISTÉRIOS E SE SURPREENDA ELES ESTÃO DISPONÍVEIS AQUI NO BLOG.

 

 

Nossa Confissão De Fé                                                                                                                 Igreja Apostólica Templo em Adoração

VISÃO: Resgatando adoradores

Cremos que deus criou todo o homem e mulher para adorara-lo, porém satanás os aprisionou em um mundo de adoração a si próprio, a imagens, artistas e tantas outras coisas. Cremos que não se cria adorador mais que se resgata. Base João 4.23

MISSÃO: Reconciliar o homem com Deus

Este sem sombra de duvida foi o ministério do senhor jesus e queremos que ele seja a nossa direção, alvo 2 CORINTIOS 5.18-20

                                                                                           1. A INSPIRAÇÃO DAS ESCRITURAS

Cremos na inspiração verbal das Escrituras Sagradas, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, são inspiradas verbalmente por Deus. Elas são a revelação de Deus à humanidade, e nossa infalível e autorizada regra de fé e conduta (Salmos 119.105; 1Tessalonissences 2.13; 2Timóteo 3.15-17; 2Pedro 1.21).

2. O DEUS ÚNICO E VERDADEIRO

Cremos no Deus Único e Verdadeiro que se revelou como o eterno e auto existente "Eu Sou", o Criador dos céus e da terra, e o Redentor da humanidade. Ele também se revelou como aquele que incorpora os princípios de relação e associação como Pai, Filho e Espírito Santo (Deuteronômio 6.4; Isaias 43.10,11; Mateus 28.19; Lucas 3.22).

A ADORÁVEL DEIDADE

DEFINIÇÃO DE TERMOS

Os termos "Trindade" e "pessoas", relacionados à deidade, apesar de não serem encontrados nas Escrituras, acham-se em plena harmonia com as mesmas Escrituras, mediante as quais podemos transmitir nossa compreensão imediata da doutrina de Cristo com referência ao Ser de Deus, distinguindo-o dos "muitos deuses e senhores". Professamos, por conseguinte, ser Deus o Único Deus e Senhor, subsistindo Ele na Trindade. Deus, pois, é um Ser composto por três pessoas. E nem por assim professarmos deixamos de ser absolutamente bíblicos (Mateus 28.19; 2Coríntios 13.14; João 14.16,17).                                                                                                                            Distinção e Relações Dentro da Deidade Cristo ensinou como se processa as relações entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Mas tais distinções e relações são em si mesmas, inescrutáveis e incompreensíveis, por serem inexplicáveis (Mateus 11.23-27; 28.19; Lucas 1.35; 1Coríntios 1.24; 2Coríntios 13.14; 1João 1.3,4).                                                                                                                                         Unidade do Ser do Pai, Filho e Espírito Santo.                                                                                       De acordo com esse pressuposto, há algo específico no Filho que o identifica de fato como Filho, diferenciando-o do Pai. E há, no Espirito Santo, algo que o identifica como o Espírito Santo, diferenciando-o do Pai e do Filho. Portanto, o Pai é o gerador, o Filho é o gerado, e o Espírito Santo é aquele que procede do Pai e do Filho. Visto estarem às três pessoas da Trindade em perfeita unidade, há então um só Senhor Deus Todo-poderoso, e seu nome é um só (Zacarias 14.9; João 1.18; 15.26; 17.11,21).

IDENTIDADE E COOPERAÇÃO NA DEIDADE

O Pai, o Filho e o Espírito Santo não são idênticos como pessoas; e jamais foram confundidos quanto à relação. Não estão divididos no tocante à deidade, nem estão em oposição no que tange à cooperação. Concernente à relação, o Filho está no Pai e o Pai está no Filho. O Filho está com o Pai, e o Pai está com o Filho, quanto à comunhão. Quanto à autoridade, o Pai não vem do Filho, mas o Filho vem do Pai. O Espírito Santo, por sua vez, vem tanto do Pai quanto do Filho, no que tocante à natureza, à relação, à cooperação e à autoridade. Portanto, nenhuma pessoa da Trindade existe, ou trabalha, separada e independentemente das outras (João 5.17-30,32,37; 8.17,18).

 

O TÍTULO, SENHOR JESUS CRISTO.

O título "Senhor Jesus Cristo" é um nome próprio. Jamais é aplicado ao Pai ou ao Espírito Santo. Este nome pertence exclusivamente ao Filho de Deus (Romanos 1.1-3,7;  2João3). O Senhor Jesus Cristo, Deus Conosco.                                                                                                                                 Quanto à sua natureza divina e eterna, o Senhor Jesus Cristo é o Unigênito do Pai, mas concernente à sua natureza humana, é Ele o próprio Filho do Homem. Portanto, Jesus é reconhecido tanto como Deus quanto como homem. E por ser Ele verdadeiro homem e verdadeiro Deus, apresenta-se como "Emanuel" - "Deus conosco" (Mateus 1.23; 1João 4.2,10,14; Apocalipse 1.13,17).

O TÍTULO, FILHO DE DEUS.

Visto que o nome "Emanuel" abrange a Jesus Cristo tanto como Deus quanto como homem, numa única pessoa, segue-se que o título "Filho de Deus" d’ escreve-lhe a deidade, enquanto que "Filho do Homem" ressalta a sua humanidade. Por isso, o título Filho de Deus pertence à ordem da eternidade, ao passo que Filho do homem acha-se ligado à ordem do tempo (Mateus 1.21-23; Hebreus 1.1-13; 7.3; 1João 3.8; 2João 3).

TRANSGRESSÃO CONTRA A DOUTRINA DE CRISTO

Constitui-se grave transgressão doutrinária afirmar que Jesus Cristo haja derivado o título “Filho de Deus" de sua encarnação, ou de sua relação com a economia da redenção da raça humana. Negar, pois, que o Pai seja real e eterno Pai, e que o Filho também o seja, significa anular a distinção e relação que existe na divindade. É uma negação tanto do Pai quanto do Filho; é negar que Jesus Cristo tenha vindo em carne (João 1.1,2,14,18,29,49; Hebreus 12.2; 1João 2.22,23; 4.1-5; 2João 9).

EXALTAÇÃO DE JESUS CRISTO COMO SENHOR

Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, tendo, por si mesmo, nos expurgado de nossos pecados, sentou-se à mão direita da Majestade, nas alturas. Tendo em vista sua exaltação, os anjos, principados e poderes se lhe sujeitaram. E, feito tanto Senhor como Cristo, enviou-nos Ele o Espírito Santo para que, no nome de Jesus, ajoelhemo-nos e confessemos que Cristo Jesus é o Senhor. Mas, quando da consumação de todas as coisas, o próprio Filho sujeitar-se-á ao Pai para que Deus seja tudo em todos (Atos 2.32-36; Romanos 14.11; 1coríntios 15.24-28; Hebreus 1.3; 1Pedro 3.22).

HONRA IGUAL AO PAI E AO FILHO

Visto ter o Pai entregue todo o julgamento ao Filho, não é somente dever expresso de todos, quer no céu, quer na terra, dobrarem os joelhos, mas, acima de tudo, alegria indizível, no Espírito Santo, atribuir ao Filho todos os atributos da divindade, e dar-lhe toda a honra e toda a glória contidas em todos os títulos e nomes da divindade, exceto os que servem para individuar as outras pessoas da Trindade. Assim agindo, haveremos de honrar tanto ao Pai quanto ao Filho (João 5.22,23; Filipenses 2.8,9; 1Pedro 1.8; Apocalipse 4.8-11; 5.6-14; 7.9,10).

3. A DEIDADE DO SENHOR JESUS CRISTO

Cremos nos Senhor Jesus Cristo que é o eterno Filho de Deus. As Escrituras declaram:                                                                                                                                       • Seu nascimento virginal (Mateus 1.23; Lucas 1.31,35).                                                                       • Sua vida impecável (Hebreus 7.26; 1Pedro 2.22).                                                                              • Seus milagres (Atos 2.22; 10.38).                                                                                                    • Sua obra vicária sobre a cruz (1Coríntios 15.2; 2 Coríntios 5.21).                                                          • Sua ressurreição corporal dentre os mortos (Mateus 28.6; Lucas 24.39; 1Coríntios 15.4).                        • Sua exaltação à mão direita de Deus (Atos 1.9,11; 2.33; Filipenses 2.9-11; Hebreus 1.3).

QUANTO A SALVAÇÃO

4 – A MORTE DE CRISTO

 Que o Senhor Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, como um sacrifício representativo e substitutivo e que todos aqueles que nele creem são justificados pelo seu sangue derramado.1 Coríntios 15.3-4;Romanos 5.1;9, 18-19 Hebreus 9.22.

5 – A RESSUREIÇÃO

Na ressurreição do corpo crucificado de nosso Senhor, na sua ascensão aos céus, e em sua vida, e vira agora como nosso sumo sacerdote e advogado. Mateus 28:6-7; Lucas 24:39; João 20:21; Atos 1:9-11.

6 – A VOLTA DE JESUS

No iminente retorno pessoal de Jesus Cristo para buscar sua igreja, antes da tribulação; que nesse momento os mortos em Jesus Cristo serão ressuscitados em corpos glorificados e os vivos receberão corpos glorificados sem passar pela morte e serão levados pelos ares antes do início da septuagésima semana de Daniel; cremos também que a tribulação, que começará após o arrebatamento da igreja culminará com a vinda de Jesus Cristo em poder e grande glória para sentar-se no trono de Davi e estabelecer o reino milenar.

1 Tessalonicenses 4:13-18; 1 Coríntios 15:51-58; Apocalipse 19:11-20:4

7 – SER FILHOS DE DEUS

Que aqueles que recebem pela fé o Senhor Jesus Cristo nascem de novo do Espírito Santo e, portanto, tornam-se Filhos de Deus. João 10:27-28; 1 João 5:1; João 1:12.

8 – DE SER GUARDADO POR DEUS

Que todos aqueles que são verdadeiramente nascidos de novo são guardados por Deus o Pai para Jesus Cristo. Filipenses 1:6; João 10:28-29; Romanos 8:35-39.

9 – RESSURREIÇÃO

 Na ressurreição física dos justos e dos injustos, na bênção eterna dos salvos e na punição eterna para os perdidos. 1 Coríntios 15:51-53; João 5:25,29.

10 – SOBRE SATANÁS

Na personalidade de Satanás, que é o deus deste século e detentor dos poderes das trevas; ele está destinado ao julgamento da justiça eterna no lago de fogo. Mateus 4:1-3; 2Coríntios 4:3-4.

11 -  A QUEDA DO HOMEM

Cremos que o homem foi criado como um ser bom e reto, pois Deus disse: "Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança..." (Gêneses 1.26). Entretanto, por transgressão voluntária, o homem caiu, incorrendo não somente na morte física, mas também na morte espiritual, que é ficar separado de Deus (Gêneses 1.26,27; 2.17; 3.6; Romanos 5.12-19).

12 - A SALVAÇÃO DO HOMEM

Cremos que a única esperança de redenção da humanidade encontra-se na pessoa de Jesus Cristo, o Filho de Deus (plenamente homem e plenamente Deus) através de seu sacrifício na cruz do Calvário, pelo seu sangue derramado.                                                                 

Condições da Salvação                                                                                    

A salvação é recebida através do arrependimento dos pecados, diante de Deus, e da fé em Jesus Cristo. Pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, o homem é justificado pela graça, mediante a fé, tornando-se herdeiro de Deus, de conformidade com a esperança da vida eterna (Lucas 24.47; João 3.3; Romanos 10.13-15; Efésios 2.8; Tito 2.11; 3.5-7).

Evidências da Salvação

• A evidência interior da salvação é o testemunho direto do Espírito (Romanos 8.16).                               • A evidência externa, a todos os homens, é uma vida de retidão e de verdadeira santidade (Efésios 4.24; Tito 2.12).

13 - VIDA CRISTÃ DIÁRIA:

Cremos que, tendo sido purificados pelo sangue precioso de Jesus Cristo e tendo recebido o testemunho do Espírito Santo, é desejo real e verdadeiro de Deus que nos santifiquemos diariamente e nos tornemos participantes de sua santidade (I Tessalonicenses 4:3 - Romanos 12:2).

14 – A MISSÃO DO CRENTE

 A suprema do povo de Deus nesta época e nosso objetivo é reconciliar o homem com Deus pregando o evangelho a toda criatura. Mateus 28:16-20; Atos 1:8.

15 - EVANGELISMO:

 Cremos que, à vista do fato de que todo presente de fatos de coisas passará, e que o fim de todas as coisas é eminente, os filhos remidos do Senhor Jeová devem levantar-se e brilhar como a luz que não pode ser escondida, espargindo o Evangelho aos confins da terra (II Timóteo 4:1-2 - Ezequiel 3:17-18).

16. AS ORDENANÇAS DA IGREJA

BATISMO EM ÁGUAS

Cremos que no batismo por imersão, o qual é ordenado nas Escrituras. Todos quantos se arrependem e creem em Cristo como Salvador e Senhor devem ser batizados. Assim fazendo, estarão declarando ao mundo que morreram com Cristo e foram ressuscitados com Ele para andar em novidade de vida (Mateus 28.19; Marcos 16.16; At 10.47,48; Romanos 6.4).

CEIA DO SENHOR

Cremos na santa Ceia do Senhor, que consiste no pão e vinho como elementos, é o símbolo que exprime nossa participação na natureza divina de Nosso Senhor Jesus Cristo (2Pedro 1.4) e profetiza sua segunda vinda (1Coríntios 11.26); e isso foi ordenado a todos os crentes "até que Ele venha". Cremos sem sombra de dúvidas que a ceia do senhor é comunhão entre os irmão e unidade com cristo sendo assim não estipulamos batismo ou idade para se participar desde no caso do batismo a uma vontade e existe comunhão entre a igreja e nenhum vicio que o impeça. Quanto à idade as crianças participam normalmente por serem do senhor (marcos 10.13-15) e não as impedimos mais ensinamos a elas a palavra de Deus.

17 - CONSAGRAÇÃO DE CRIANÇAS:

 Zelando pelos princípios bíblicos estabelecidos na antiga aliança e seguindo o exemplo do que aconteceu com o próprio Jesus, apresentamos nossas crianças, num ato de dedicação a Deus (I Samuel 1:24-28 - Lucas 2:22-23).

18 - BATISMO NO ESPÍRITO SANTO:

 Cremos que o batismo no Espírito Santo é o recebimento prometido do consolador, em poderosa e gloriosa plenitude, a fim de revestir o crente com o poder de Deus. (João 14:16-17 - Atos 1:5-8).

19 - A VIDA CHEIA DO ESPÍRITO SANTO:

Cremos que sendo o Espírito Santo o próprio Deus, se manifesta de diversas maneiras e que é, portanto, vontade de Deus que vivamos e andemos no Espírito, momento a momento, sendo pacientes, amorosos, verdadeiros, sinceros, de oração, não murmuradores, estando a tempo e fora de tempo servindo ao Senhor (I João 5:7 - Efésios 4:30 - Gálatas 5:16).

20 - DONS DO ESPÍRITO:

Cremos que o Espírito Santo tem diversos dons concedidos à Igreja crente e fiel ao Senhor Jesus Cristo, e há também diversidade no Ministério e na operação dos mesmos dons com um propósito de um fim proveitoso e útil. Deus nos aconselha que busquemos zelosamente ser portadores destes dons e que procuremos ser abundantes neles, visando a Edificação da Igreja (I Coríntios 12:4-7 - I Coríntios 14:1:12).

21 - O FRUTO DO ESPÍRITO:

 Cremos que o fruto do Espírito é uma verdadeira característica da visa cristã. Quando Cristo é plenamente formado no crente, mediante a habitação do Seu Espírito, as virtudes verdadeiramente cristãs serão um resultado natural do caráter de Cristo formado em nós (João 15:5 - Gálatas 5:22).

22 . A SANTIFICAÇÃO

Cremos que a santificação é o ato de separar-se do que é ruim e dedicar-se a Deus (Romanos 12.1,2; 1Tessalonicenses 5.23; Hebreus 13.12). As Escrituras ensinam uma vida de "santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor" (Hebreus 12.14).                                                                                 Através do poder do Espírito Santo, somos capazes de obedecer ao mandamento: "Sede santos, porque eu sou santo" (1Pedro 1.15,16). A santificação é realizada no crente pelo reconhecimento da identificação com Cristo em sua morte e ressurreição e, pela fé, por considerar-se diariamente no fato dessa união e por oferecer toda faculdade continuamente ao domínio do Espírito Santo (Romanos 6.1-11,13; 8.1,2,13; Gálatas 2.20; Filipenses 2.12,13; 1Pedro 1.5).

23. A IGREJA E SUA MISSÃO                                                                                                       Cremos que a Igreja é o Corpo de Cristo, a habitação de Deus através do Espírito, com divinas nomeações para cumprimento de sua Grande Comissão. Cada crente, nascido do Espírito, é parte integrante da Assembleia Universal e da Igreja dos Primogênitos, que estão inscritos no Céu (Efésios 1.22,23; 2.22; Hebreus 12.23). Visto que o propósito de Deus acerca do homem é buscar e salvar os perdidos, ser adorado pelo homem e edificar um corpo de crentes segundo a imagem de seu Filho, a razão prioritária para a existência da igreja apostólica templo em adoração é:  Igreja,é:                                                  Ser uma agência de Deus para a evangelização do mundo(Mateus 28.19,20; Marcos 16.15,16; Atos 1.8).   Ser um corpo coletivo no qual o homem possa adorar a Deus (1Coríntios 12.13).                               •Ser canal do propósito divino de edificar um corpo de santos aperfeiçoados segundo a imagem de seu Filho (1Coríntios 12.28; 14.12; Efésios 4.11-16).                                                                                   A igreja apostólica templo em adoração existe expressamente com o fim de dar ênfase continuada a essa razão para existir, de acordo com o padrão apostólico do Novo Testamento, ensinando e encorajando os crentes ao batismo no Espírito Santo. Essa experiência:                                                        •Capacita-os a evangelizar no poder do Espírito, com o acompanhamento de sinais sobrenaturais (Marcos 16.15-20; Atos 4.29-31; Hebreus 2.3,4).                                                                                               •Adiciona uma dimensão necessária a uma relação de adoração com Deus (1Coríntios 2.10-16; 12-14).      •Capacita-os a responder à plena operação do Espírito Santo, ao expressar o fruto, os dons e o ministério que se viam nos tempos neotestamentários, para a edificação do Corpo de Cristo (1Coríntios 12.28; 14.12; Gálatas 5.22-26; Efésios 4.11,12; Colossenses 1.29).

24. O MINISTÉRIO

A igreja apostólica templo em adoração está embasada nos 5 ministérios de efésios 4.11 para cumprir a ordem do Senhor Jesus Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores, e Mestres.     Para:                                                                                                                                         •Evangelização do mundo (Marcos 16.15-20).                                                                                 •Adoração a Deus (João 4.23,24).                                                                                             •Edificação de um corpo de santos que está sendo aperfeiçoado segundo a imagem do Filho de Deus (Efésios 4.11,16).

25 – QUANTO A MULHERES NO MINISTÉRIO

 À ordenar mulheres para executar um dos cinco ministério tanto apostólico, profético, evangelístico, pastoral, ou mestre neste caso adicionado a um dos quatro primeiro não vemos nenhum problema dentro da palavra de deus para que não se suceda.   não menosprezamos e nem nos consideramos a mais que as palavras que o apóstolo Paulo escreveu inspirado pelo próprio Deus 1 Timóteo 3.1 -13 e 2 Timóteo 2.15. O problema é que se confunde “minístérios” com o “governo” da Igreja, ministério com presbitério. Os presbíteros, eram discípulos de Jesus, das comunidades ou cidades do Novo Testamento, constituídos pelo Espírito Santo para apascentarem, lideravam a igreja de Deus. Em cada cidade havia um grupo de presbíteros que pastoreava a Igreja de Deus. O pastoreio segundo o Novo Testamento era sempre exercido coletivamente e não individualmente.                                                                                                                             O vocábulo “presbyteros” no grego significa literalmente “mais velho”. Era considerado no mundo do Novo Testamento presbítero um homem acima de quarenta anos de idade.
Portanto, não se pode confundir ministério com presbitério. Não há nenhuma restrição no Novo Testamento de que mulheres possam exercer seus dons ministeriais conquanto o episcopado seja claramente e exclusivamente destinado aos homens.

bispo (do grego antigo επίσκοπος, "inspetor", "supervisor") é um título religioso presente em diversas confissões cristãs,. Antes do Cristianismo, o termo era utilizado para designar todo tipo de administrador, nos domínios civil, financeiro, militar e judiciário.
 “Fiel é esta palavra: Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra deseja. É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar.” (I Timóteo 3:1-2)
                                                                                                           que se exija o comprometimento também da mulher a submissão ao seu marido como cabeçaEf 5.21-29.  Referências de mulheres exercendo ministério dentro da igreja.                                                          1- Serviram ao Senhor e a Sua igreja: Lucas 1.30-38, Romanos 16.1-6, Filipenses 4.3, 2Reis 4.9,10, Mateus 26.12,13.                                                                                                                                       2- Profetizas: Êxodo 15.20, Juízes 4.4, 2Reis 22.14, Neemias 6.14, Lucas 2.36,                                          Atos 21.9.                                                                                                                                       3- Juíza Instituída por Deus em Israel: Juiz 4.4.                                                                                  4- Obreiras: Atos 18.26, Romanos 16.3.                                                                                             5- Diaconisa: Romanos 16.1,2.                                                                                                         6- Evangelistas: João 4. 27-29, Filipenses 4.3.                                                                                    7- Pregando aos judeus no templo: Lucas 2.37,38.                                                                             8- Presente na primeira reunião de oração: Atos 1.14.                                                                                                                                             9- Apóstola segundo próprio Paulo escreve. Romanos 16.7.

26. CURA DIVINA

Cremos que a cura divina é uma manifestação do poder do Senhor Jesus Cristo para curar os enfermos e os aflitos, em resposta à oração sincera (Mateus 8:17 - Tiago 5:15).

27- RELAÇÕES PARA COM A IGREJA:

Cremos que, tendo aceitado o Senhor Jesus como Salvador pessoal e Rei, e tendo nascido na família e no corpo invisível da Igreja do Senhor, é sagrado dever do crente, identificar-se com a visível Igreja de Cristo sobre a terra e trabalhar com o maior entusiasmo e fidelidade pela edificação do Reino de Deus (Hebreus 10:24-25 - Atos 2:47).

28- GOVERNO:

Cremos que os governos da terra são de instituição divina, para a promoção da ordem na sociedade humana e dos interesses da mesma (Romanos 13:13).

29- EVANGELISMO:

Cremos que, à vista do fato de que todo presente de fatos de coisas passará, e que o fim de todas as coisas é eminente, os filhos remidos do Senhor Jeová devem levantar-se e brilhar como a luz que não pode ser escondida, espargindo o Evangelho aos confins da terra (II Timóteo 4:1-2 - Ezequiel 3:17-18).

30- DÍZIMOS E OFERTAS:

Cremos que o método estabelecido por Deus para manter o seu ministério e promover a propagação do evangelho, conforme a Sua ordem, é o dízimo e as ofertas voluntárias sabemos que os dízimos eram usados para manutenção do templo até o templo ser destruído.(jesus deixa claro que a destruição do templo se daria naquela mesma geração (Mateus 23.36). O que se cumpriu na íntegra no ano de 70 d.C) hoje dependemos dos dízimos para a manutenção das quatro paredes seus gastos aluguéis, compras etc. e as ofertas voluntárias, não só como diretrizes divinas para prover, quanto às necessidades materiais e financeiras da sua igreja, mas, para soerguer a moral espiritual do seu povo de tal sorte que Deus haja por força abençoá-los.

em Ml. 3:10: esta escrito

"Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, depois, fazei prova de mim, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas dos céus e não derramar sobre vós uma bênção tal que dela vos advenha a maior abastança. No tocante a "dar" e "ofertas voluntárias" é ordenado pelo Senhor e praticado em nossa igreja, como parte do plano de Deus para atender às necessidades materiais da igreja e satisfazer a espiritualidade do seu povo.

Somos admoestados em Lc. 6:38:

"Daí, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos deleitarão no vosso regaço, porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo".

Sendo coerdeiro com ele, sabemos que dar para o seu reino - que é, também, nosso - é algo agradável, sendo mais abençoado dar do que receber.

Somos ordenados em II Co. 9:7

"Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade, porque Deus ama ao que dá com alegria."